segunda-feira, 28 de março de 2016

Dores, trabalho & blues

Conduzia.
Deixou de o fazer depois do acidente. Idade a mais. Deixou de beber e foi visitar as filhas.
A cada uma deixou um cheque. À mais nova um cão.
Partiu na velha carrinha a ouvir blues, Mississipi  John Burt ou coisa assim. Nunca mais o viram. A viajar por aí, sempre a cantar. Com um velho amigo, negro, coxo e excelente condutor.
Uma suave reforma depois de uma vida muito dura. Bem, penso que foi mais ou menos assim.