quarta-feira, 29 de abril de 2015

transformar a matéria

transformar
como se fosse deus
a transformar a matéria
transformar
em homem
homem magro
de qualquer etnia qualquer idade
vesti-lo
com roupa de outrem
um fato de qualquer cor
camisa de colarinho abotoado até ao último botão
sapatos usados engraxados
e pô-lo
a correr mundo como vento
transformar
em gente
em vagabundo humilde e sensato
pobre e sábio e honesto
como homem do mundo
talvez ele descubra godot
dar vida à gente?
como é inútil
gente já tem vida
e vida tem muita gente
desculpem,
os erros habituais
de quem faz de deus
homem que não é deus
mas brinca como se fosse
transformar
como se fosse
coisa importante e imperecível


transformar
em mulher e criança e gato
vestir o tempo
com gente

segunda-feira, 20 de abril de 2015

Um livro. Vários autores, da editora Lua de Marfim

 
 
Escolha do editor. Cada autor da Lua de Marfim, um escrito poético publicado. No meu caso, um escrito do livro: Homem-Árvore. Seja. Sinto-me honrado na companhia de António Ramos Rosa, Amadeu Batista, Casimiro de Brito, Graça Pires e outros honoráveis (autores que leio desde sempre e me instigam à escrita, mesmo sabendo que sou corredor de campeonatos regionais e amadores). O livro ficou jeitoso, capa rija. Boas leituras.